| Favoritos | Newsletter | RSS | Espanhol
 
Estado em Portugal - Futuro

Futuro

Com a SRE e esperemos que outras spin offs saiam dos centros de investigação das faculdades o mercado das células de combustível deverá expandir-se em Portugal. A CARRIS (em Lisboa) e a SCTP (no Porto) deverão ser capazes de substituir alguns autocarros da sua frota por veículos a hidrogénio. A forma de produção de hidrogénio ainda não está definida, mas a electrólise é uma boa solução, pois a electricidade é barata em Portugal, podendo ser obtida a partir de PV ou de aerogeradores (situação no Norte do país). O lobby do gás e da gasolina fará sua força, mas esperemos que a solução gasolina ou gás natural não se venha a concretizar, para bem do nosso ambiente e das células de combustível! A experiência islandesa na produção de hidrogénio com base em Metanol, pode reavivar esta antiga forma de energia em Portugal, pois não nos faltam culturas agrícolas com o potencial de o vir a produzir. A solução hidrogénio puro é a ideal, mas a níveis de veículos ligeiros, a tecnologia ainda não o permite.

Digamos que para os autocarros o futuro parece passar por uma desta técnicas. No caso dos automóveis, a solução não será nacional, mas mundial, pois a que for adoptada pelos fabricantes mundiais será a que ditará o futuro da produção de Hidrogénio em Portugal.

Á semelhança de outros países pesqueiros, a nossa frota de pesca poderá também ser convertida para hidrogénio, mas dada a crise que as pescas atravessam, essa possibilidade ainda está longe. A União europeia terá nesse campo um papel fundamental ao incentivar economicamente a conversão das frotas de pesca.

A título de conclusão, espera-se que a tecnologia evolua bastante nos próximos tempos, levando a que o hidrogénio possa de facto ser elevado ao estatuto de motor económico mundial, destronando o petróleo! 





Bookmark and Share | Voltar | Topo | Imprimir |
PUB
Pós-graduação em Energia Solar

:: Produzido por PER. Copyright © 2002-2009. Todos os direitos reservados ::
:: :: Editorial :: Sobre o PER ::
Última actualização 2/2/2017