| Favoritos | Newsletter | RSS | Espanhol
 
Estado em Portugal - Actualidade: Biocombustíveis gasosos

Actualidade: Biocombustíveis gasosos


Recurso em Portugal


O potencia de produção de energia eléctrica com base no Biogás está estimada segundo a DGEG em cerca de 886 GWh/ano, e distribuído pelas seguintes fontes:

Fonte
Energia eléctrica
[GWh/ano]
Potência Eléctrica [MW]
Agro-alimentar 120 31
Agro-pecuário 226 59
ETAR's 157 41
RSU (aterros) 383 99
Fonte: Forum Energias Renováveis (2001)

Sector agro-alimentar: o potencial energético para produção de biogás é de cerca de 68 milhões de m3/ano, tendo como base os resíduos de culturas, nomeadamente as partes aéreas das plantas.

Sector agro-pecuário
: é um dos sectores com maior potencial. Sendo que as explorações de suínos e de bovinos aquelas que apresentam maior potencial de produção de biogás.

Actividade Biogás [m3/ano]
Criação de gado bovino
19.710.000
Aviário (ovos)
11.789.500
Aviário (multiplicação)
5.894.750
Criação de suínos
78.840.00
TOTAL 116.234.250
Fonte: Forum Energias Renováveis (2001)


ETARs: Relativamente à viabilidade económica da digestão anaeróbia das lamas com consequente produção de biogás nas ETARs domésticas, o valor mínimo das populações situa-se nos 15.000 habitantes.

Nestes aproveitamentos grande parte do calor gerado é consumido directamente no processo de digestão das lamas e, eventualmente, na secagem das lamas, não sendo uma mais-valia energética. A produção eléctrica estimada de 157 GWh/ano com base no biogás corresponde ao aproveitamento em 75% das lamas geradas nas ETARs a nível nacional.

Os resíduos sólidos urbanos (RSU): colocados em aterro são ricos em matéria orgânica, a qual em condições anaeróbicas no seio do material depositado, da origem a biogás. A produção de electricidade será uma solução viável de aproveitamento do biogás devendo ser consideradas também outras utilizações, incluindo a introdução na rede de gás natural.

Embora se tenha como objectivo a separação progressiva dos resíduos passíveis de valorização orgânica da restante matéria a aterrar, uma grande parte da matéria orgânica continuara a ser depositada nos aterros, dando origem a biogás. Tendo em conta valores médios anuais de RSU depositados em aterro de cerca de 2.550.000 em Portugal e partindo de uma produção na ordem dos 100 m3/ton, estima-se uma produção média de biogás de 255 milhões de m3/ano. Assumindo um teor médio de metano no biogás de 50% (PCI ≈ 5 kWh/m3) e um rendimento de conversão eléctrica de 30%, o potencial teórico disponível corresponde a 383 GWh/ano de electricidade. Limitando realisticamente esse potencial a 50% seria possível gerar 192 GWh/ano de energia eléctrica.

Os valores acima referidos devem ser vistos como o potencial máximo, sendo que, em alguns casos por questões de viabilidade económica ou técnica, os valores realistas se possam situar em cerca de 50% do potencial.

Política energética

A meta do governo estabelecida em 2005 era atingir 100 MW de potência instalada em unidades de tratamento anaeróbico de resíduos até 2010.

Nesse sentido, em 2007, as tarifas para a remuneração da produção eléctrica com base em Biogás foram revistas, estando hoje nos seguintes valores médios:

  • Biogás digestão anaeróbia RSU, ETAR e de efluentes e resíduos da agro-pecuária e agro-alimentar: 115-117
  • Gás de aterro: 102-104

Estes valores mantêm-se durante 15 anos.

Cenário actual

Actualmente existe em Portugal cerca de uma centena de sistemas de produção de biogás, na sua maior parte proveniente do tratamento de efluentes agro-pecuários (cerca de 85%) e destas cerca de 85% são suiniculturas e de alguns aterros de grande porte.

Este aproveitamento que, para além de resolver os problemas de poluição dos efluentes, pode tornar uma exploração agro-pecuária auto-suficiente em termos energéticos. Os efluentes sólidos resultantes podem ser ainda aproveitados como adubo.

Apesar do potencial e das metas do Governo o Biogás representa actualmente apenas cerca de 0,2% do consumo energético nacional com cerca de 80 GWh produzidos e potencia instalada de apenas 21 MW (2009), i.e, 80% abaixo da meta dos 100 MW.

Existem vários constrangimentos que justificam o relativo insucesso deste sector:

  • Uma fraca aceitação do processo de digestão anaeróbia, com excepção do tratamento das lamas das ETAR's.
  • Pouca relevância dada à valia energética dos projectos ambientais, avaliados essencialmente pela capacidade de tratamento.
  • Baixa retribuição da energia eléctrica produzida a partir da digestão anaeróbia, prejudicando assim a amortização dos investimentos.

Fontes e referências:
"Bioenergia - manual sobre tecnologias, projecto e instalação", Altener, 2004
"Forum Energias Renováveis em Portugal". ADENE/INETI, Lisboa 2001.





Bookmark and Share | Voltar | Topo | Imprimir |
PUB
Pós-graduação em Energia Solar

:: Produzido por PER. Copyright © 2002-2009. Todos os direitos reservados ::
:: :: Editorial :: Sobre o PER ::
Última actualização 2/2/2017