| Favoritos | Newsletter | RSS | Espanhol
 
Notícias - Notícias
4/11/2013

Falta de técnicos qualificados atrasa aposta nas renováveis, alerta responsável da IRENA


O diretor do Centro de Conhecimento, Política e Finanças (KPFC) da Agência Internacional das Energias Renováveis (IRENA) alerta que a escassez de trabalhadores qualificados representa uma barreira para uma implantação das energias renováveis mais célere.

Em entrevista à Renewable Energy Magazine (Revista de Energias Renováveis), gentilmente cedida ao Portal das Energias Renováveis pela IRENA, Hugo Lucas explica como é que o projeto IRELP (Renewable Energy Learning Partnership) está a ajudar a resolver o problema.
 
Renewable Energy Magazine: Quão crítica é a escassez global de profissionais qualificados ou treinados adequadamente no setor das energias renováveis?
Hugo Lucas: Cálculos da IRENA feitos junto da Organização Internacional do Trabalho mostram que mais de cinco milhões de pessoas trabalhavam no setor de energia renovável em 2011. Isto inclui aquelas pessoas que estão empregadas na indústria e em serviços auxiliares. Neste momento, estamos a trabalhar na atualização desta estatística e estou confiante de que vamos ver um aumento no número de profissionais empregados no setor de energia renovável em todo o mundo. O setor está, em primeiro lugar, a necessitar de engenheiros e técnicos, pois estes são os responsáveis por projetar, instalar, operar e manter projetos de energia renovável.
A África do Sul, por exemplo, é um país onde a escassez de engenheiros é particularmente grave. Este caso mostra que é fundamental divulgar a engenharia e as energias renováveis ​​como uma opção de carreira. Em tempos de globalização, os países não precisam somente treinar e formar profissionais qualificados, mas também encontrar formas e mecanismos para reter o profissional.
Trabalho ineficiente ou falhas de operação e manutenção destes sistemas podem afetar a rentabilidade dos projetos e a reputação das tecnologias de energia renovável como um todo. Além disso, as dificuldades para a contratação de pessoal treinado podem retardar o desenvolvimento do projeto e adicionar ao custo final. A escassez de trabalhadores qualificados, portanto, constitui uma barreira para a implantação acelerada de energia renovável.
Há várias razões possíveis para essa escassez, mas é claro que os sistemas educacionais precisam de algum tempo para se adaptar ao surgimento de uma nova indústria. São as instituições de ensino, em particular, que queremos apoiar com a nossa Parceria para a Aprendizagem de Energia Renovável (Renewable Energy Learning Partnership), a IRELP.
 
Até que ponto a IRELP se envolve nestas situações e, mais importante, qual é o seu papel?
Ainda que cursos de formação em energia renovável sejam raramente oferecidos, estamos a observar um aumento no número das oportunidades educacionais oferecidas. As ofertas e materiais, no entanto, tendem a estar muito dispersos na Internet e podem ser difíceis de encontrar. A IRELP está a desempenhar um papel importante como o one-stop-shop para treino em energia renovável. A IRELP tem atualmente mais de 1.000 cursos de formação, programas de faculdade e universidade, guias de treinamento, e webinars educacionais, muitos dos quais são oferecidos gratuitamente. Além disso, a IRELP agora é o hub central para oportunidades de estágio no setor de energia renovável.
Sabemos também que muitos fornecedores, incluindo universidades, desejam melhorar ou desenvolver cursos e programas, pois têm-nos pedido para os ajudarmos neste sentido. A IRELP oferece guias de treino úteis a este respeito. Por exemplo, a IRELP apresenta uma série de educação de energia solar e de formação e guias de boas práticas, a Interstate Renewable Energy Council (IREC), que fornecem sugestões de currículo e programas de desenvolvimento e para se tornar um instrutor eficaz, bem como exemplos de educação em energia solar e programas de treinamento em que outros podem ser baseados.
 
Quais são os tipos de treinamento mais criticamente necessários neste momento?
O boom no setor de PV e energia eólica criou uma enorme demanda por técnicos qualificados, principalmente para instalar PV, e manter e operar projetos de energia eólica. Além disso, as recentes descobertas da IRENA sugerem que há uma necessidade crítica de educar aqueles que trabalham para instituições financeiras. Projetos de energia renovável têm um custo inicial relativamente alto e, portanto, as instituições financeiras são importantes, pois fornecem o empréstimo do capital de investimento necessário. Os funcionários de instituições financeiras precisam de estar familiarizados com as tecnologias de energias renováveis e serem capazes de avaliar a viabilidade do projeto. Por esse lado, ainda há muito a ser feito.

 

Existem países ou regiões onde essas carências são mais acentuadas?

Como mencionado, esta é uma questão que o setor de energia renovável está a enfrentar numa escala global, independentemente do nível de desenvolvimento de um país. A escassez de pessoal qualificado tende a ser menos grave em países desenvolvidos, já que algumas habilidades são transferíveis de outras indústrias para o setor de energia renovável, enquanto os países em desenvolvimento, tendo menos provedores de treinamento e educação, estão menos equipados para responder às necessidades emergentes de competências.

Eu mencionei o caso da África do Sul no início, mas também pode olhar para o Brasil, onde o setor de biocombustíveis e, mais especificamente, grandes refinarias são afetadas pela escassez de pessoal altamente qualificado. Na região do Pacífico muitos dos projetos que foram implementados falharam devido às capacidades locais limitadas.

Ainda assim, quero destacar aqui que esta não é uma questão específica para alguns poucos países. Se olharmos para o número de governos que se comprometeram com metas para as energias renováveis ​​e as respetivas políticas de apoio adotadas, é claro que os profissionais qualificados para trabalhar no setor continuarão em alta demanda para as próximas décadas.
 
Há países, por exemplo, onde sabemos que a escassez de trabalhadores qualificados é definitivamente a razão pela qual as energias renováveis ​​não progrediram?
O Quénia, por exemplo, é um país com um bom enquadramento institucional e excelentes recursos geotérmicos, mas com capacidade limitada para treinar pessoas para operar as instalações geotérmicas. A Companhia de Desenvolvimento Geotérmica estatal, que é responsável pelo desenvolvimento de 5.000 MW dos recursos geotérmicos até 2030, estipula agora que, as empresas devem incluir uma componente de formação na sua oferta para garantir a sustentabilidade dos seus projetos. Recentemente, uma empresa chinesa contratada pela Companhia de Desenvolvimento Geotérmica teve de subcontratar um instituto francês para realizar esses treinamentos.
O setor privado está a fazer um esforço através de numerosos programas de estágios e de carreiras, no entanto, ainda há uma necessidade crítica de uma melhor coordenação entre os formuladores de políticas que promovam a transição para as energias renováveis ​​e as instituições preocupadas com a educação e a formação profissional.
 
Existem entidades específicas que você faz parceiras dentro de um país ou região?
A IRELP - como o próprio nome indica - é baseada em parcerias. Não queremos repetir o que os outros já estão a fazer. É por isso que estamos a trabalhar com aqueles que melhor nos podem ajudar na recolha de informações, divulgando e respondendo aos pedidos específicos. Os nossos parceiros são as partes interessadas do setor privado. Temos uma gama de associações da indústria envolvidas: instituições de ensino e investigação; redes, como a REN21 e a  Renewable Energy and Energy Efficiency Partnership (Parceria de Energia Renovável e Eficiência Energética), REEEP; centros regionais, etc. No futuro pretendemos expandir esta rede, por exemplo, para incluir agências de acreditação, que podem ajudar a compreender a qualidade da formação oferecida.
 
Quem é que está a usar a IRELP?
A plataforma ainda é muito recente, tendo apenas entrado online em abril do ano passado. O número de usuários está a aumentar constantemente e estamos muito felizes de ver que os nossos usuários estão a passar bastante tempo no site, o que indica que estão a encontrar informações úteis.
Temos usuários de 137 países, muitos usuários de países africanos, China e Índia. A China anunciou, durante a terceira sessão da Assembleia da IRENA, em janeiro deste ano, que vai juntar-se à Agência, por isso também estamos a analisar como podemos melhorar os nossos serviços para os usuários desse país.
O que está a faltar em programas de formação existentes e o que necessita mais de ser corrigido?
Além da necessidade de aumentar as oportunidades de formação e educação para o setor, os padrões necessitam de ser desenvolvidos e, onde já existam, harmonizados.
Abordagens e conteúdos padronizados também podem ajudar na redução do custo inicial de um novo curso ou programa. As instituições de formação devem provar que os seus programas de formação e de avaliação foram examinados e aprovados por uma comissão independente. Isso torna possível que os empregadores do setor ou em diferentes países reconheçam as qualificações. Essas avaliações também devem verificar se os conteúdos são projetados para atender às necessidades de competência da indústria.

Naturalmente, mudanças, especialmente de um sistema educacional e acrescentando aulas, aumentam os custos do curso. Quem é que está a financiar estas iniciativas?

Depende. Se está a falar de cursos universitários, eles estão a trabalhar principalmente com os orçamentos públicos e as mensalidades. Os cursos de formação e pós-graduação, por outro lado, muitas vezes são oferecidos por prestadores privados e são os participantes que financiam os seus próprios custos. Outros cursos são suportados ou pagos pela indústria de energia renovável para dar aos seus trabalhadores as competências adequadas para fazerem o seu trabalho.
Além disso, a comunidade de desenvolvimento internacional está a financiar um grande número de projetos de energias renováveis ​​que envolvem ações de aprendizagem.
Nos países em desenvolvimento, por exemplo, os alunos até podem ter o desejo de estudar energias renováveis, mas não têm recursos para tal. Como é que os países estão a abordar esta questão?
Vivemos num mundo globalizado. Isto também inclui a área académica. Há uma série de parcerias e projetos de cooperação entre as universidades bem sucedidos. A Universidade de Oldenburg (Alemanha), por exemplo, está a cooperar com universidades de todo o mundo no quadro do seu programa de pós-graduação para as energias renováveis​​.
Estamos em contacto com as universidades para entender como é que podemos apoiá-las nos seus empreendimentos.
E para responder à sua pergunta relacionada com os recursos financeiros dos alunos, é fundamental que promovamos exemplos bem sucedidos como o da Malásia. O Governo da Malásia criou um subsídio de formação técnica para os cursos de energias renováveis ​​que são certificados pela Lei Nacional de Desenvolvimento de Competências. Além disso,  foram criadas isenções fiscais para as pessoas que realizam cursos de formação universitária em energias renováveis  em instituições de ensino superior locais. Estes dois exemplos fazem parte de um pacote de medidas orientadas para ter profissionais qualificados que ajudassem na implementação das metas nacionais de energia renovável. 
 
Onde é que podemos encontrar os professores para ensinar estes cursos?
Esta pergunta é muito relevante. Atualmente, uma das principais limitações para os empregadores e prestadores de formação de energias renováveis é a falta de formadores e educadores qualificados. Uma razão prende-se com o facto de as tecnologias de energia renováveis serem tecnologias relativamente recentes. Por esta razão, ainda não existem muitos professores e formadores com a especialização necessária.
A partilha de professores e educadores entre universidades e institutos de formação e projetos conjuntos de pesquisa vão ajudar a construir a capacidade de ensino desejada.
 
As iniciativas educacionais fazem muitas vezes parte do processo de desenvolvimento económico. É possível que os grupos de desenvolvimento económico, as câmaras de comércio e afins possam ser envolvidos como parceiros desta iniciativa?
Em geral, as câmaras de comércio estão a apoiar a formação onde existem lacunas de competências. Na Alemanha, por exemplo, há uma iniciativa da indústria chamada BZEE Parceria de Treino Global, que oferece ensinamentos em energia eólica e que já formou mais de 2600 técnicos de energia eólica altamente qualificados. De igual modo, a Câmara de Comércio de Madrid organiza tutoriais e cursos presenciais e online de energias renováveis.
 
Que medidas é que nós, do setor das energias renováveis, podemos ​​tomar amanhã, na próxima semana ou no mês seguinte para ajudar ainda mais os vossos esforços?
A IRELP está sempre à procura de sugestões de programas universitários, cursos de formação, webinars, guias de formação, etc. Se encontrar um novo programa de formação em energia renovável, por favor avise-nos.
Se a sua instituição tem trabalhado para criar cursos de energias renováveis ​​ou trabalhou com outros para harmonizar, e se está disponível para compartilhar essas experiências com outros, envie-nos um e-mail.
Pode entrar em contacto connosco através do e-mail info@irelp.org e ligar-se ao nosso Facebook ou ao nosso Twitter.

 


Renewable Energy Magazine


Bookmark and Share | Voltar | Topo | Imprimir |
PUB
Pós-graduação em Energia Solar

:: Produzido por PER. Copyright © 2002-2009. Todos os direitos reservados ::
:: :: Editorial :: Sobre o PER ::
Última actualização 2/2/2017